terça-feira, 5 de fevereiro de 2008

eXistenZ (1999)

Jogos De Poder

Um dos últimos grandes títulos da filmografia de David Cronenberg. É certo que "eXistenZ" tende a polarizar opiniões, mas isso também já é dado adquirido em quase todos os filmes do cineasta canadiano (criador de obras de culto tão fascinantes como "The Fly", "Videodrome" e "Crash")."eXistenZ" resume-se a um universo alucinado onde, indecifravelmente, se cruza a realidade com a ficção. Num futuro próximo e pouco hi-tech, os criadores de jogos de realidade virtual são autênticas celebridades e aos jogadores é permitida a entrada orgânica nessas plataformas, podendo vivenciar as experiências na sua totalidade. Allegra Geller é uma dessas super-estrelas da tecnologia, uma das designers mais conceituadas do ramo e responsável pelo célebre eXistenZ. Numa das exibições do seu novo produto, Allegra torna-se vítima de uma tentativa de homicídio. No entanto, o plano para a eliminar corre mal e ela acaba por ser salva por Ted Pikul, um dos funcionários da empresa que a representa. Receosa em relação à sua integridade física e à protecção do seu sistema, a designer foge com Ted e convence-o a entrar no jogo com ela, para assim se descobrir a identidade dos assassinos... "eXistenZ" surgiu por alturas de "Matrix" e tem em comum com a obra dos irmãos Wachowski a relação que os corpos estabelecem com as exaltações tecnológicas. Contudo, o filme de Cronenberg aposta num visual pouco estilizado para o género e no tratamento de uma narrativa estimulante, sem recurso a filosofia de pacotilha. O realizador insere os jogos em paisagens facilmente identificáveis, mas que por outro lado são também possuidoras de inúmeros elementos que as desvirtuam, causando uma sensação de estranheza e admiração. O jogo funciona como a metáfora perfeita para a construção dos laços afectivos e sociais, enquanto que a vida real parece não ter nenhuma relevância. É nesse cosmos alternativo e completamente viciante que a dimensão sexual se insinua e que o desejo arranca um papel principal; repare-se que "eXistenZ" está repleto de subtilezas sexuais e sensuais, como por exemplo as bio-portas fundamentais para todo o processo de jogo e o pod mutante de Allegra, que é sem dúvida a expressão máxima desta questão. Aliada a esta componente erótica está toda uma narrativa labiríntica (que exacerba o caos entre a realidade e a ilusão), que se entranha no nosso hipotálamo e não nos permite tirar nenhumas conclusões. No fim de contas, o filme é também ele uma espécie de jogo mental que pratica malabarismos com as nossas expectativas e certezas. Uma coisa é garantida: estar perante um objecto de cinema tão desafiador quanto este acaba por ser um prazer equivalente ao proporcionado por algumas plataformas electrónicas.


Classificação: 4/5

9 comentários:

wasted blues disse...

Foi o primeiro Cronenberg que vi no cinema, e continua a ser um dos meus filmes preferidos do realizador!

blueminerva disse...

Nunca vi este filme, mas gosto muito de David Cronenberg.
Quanto à tua referência ao "Matrix"... deixa-me confessar-te que sou das pouquíssimas pessoas que ainda não viu este blockbuster.
Um abraço

Cataclismo Cerebral disse...

Wasted Blues: É muito bom, mas não percebo porque raio não é exibido na TV. Aliás, porque é que os filmes do Cronenberg não são transmitidos com regularidade?! ;)

Blueminerva: Aconselho-te este Existenz. Não te preocupes, conheço muitas pessoas que ainda não viram o Matrix. Se me permites, não perdes nada por aí além...

Abraços!

Luís disse...

apesar de sêr um fã de cronenberg (The Fly e Dead Ringers são 2 filmes essenciais), acho que aqui ele se despistou nos seus excessos, com muitas cenas que sinceramente achei de mau gosto e de um grotesco perto do ridículo...

abraço cinéfilo

Cataclismo Cerebral disse...

São opiniões :) Aqui são todas bem-vindas!

Abraço Luís!

_Loot_ disse...

Eu também gostei muito, em primeiro lugar é uma abordagem do universo dos videojogos completamente diferente, estamos a falar de tecnologia, ambientes metálicos frios, e Cronemberg filma este universo da tecnologia de uma forma quente carnal e como dizes sexual.

E aquele final é tão bom e faz tanto sentido.

Abraço

halloween 77 disse...

Para mim este é simplesmente o melhor filme de David Cronenberg

Cataclismo Cerebral disse...

Loot: Gosto muito do facto d Cronenberg não seguir a estafada fórmula dos cenários high tech e assépticos.

Halloween77: Afinal o filme é melhor amado do que aquilo que estava à espera!

Abraços!

Anônimo disse...

http://cibertecario.blogspot.com/2007/11/muito-bons-filmes.html