quinta-feira, 8 de maio de 2008

Bewitched - Casei com uma Feiticeira (2005)

Truques Esgotados

Nos anos 90, Nora Ephron voou a grande altura com as suas comédias românticas desempoeiradas e francamente deliciosas que muito deviam ao génio urbano-neurótico de Woody Allen. Meg Ryan era então a protagonista dessas películas (que lhe deram a oportunidade de cimentar a sua posição de namoradinha da América), enquanto Ephron geria com savoir-faire a sua condição de argumentista e realizadora de filmes lucrativos de grande estúdio. Mas a magia não está sempre ao nosso lado, e este Bewitched é a confirmação total de que as fórmulas hollywoodescas mais estafadas nem sempre resultam em filmes apelativos.

Bewitched, recorde-se, foi uma série exibida nos EUA na década de 60, na altura carinhosamente acolhida pelo público e desde então estabelecida como uma das referências mais queridas do gigantesco imaginário propagado pela televisão norte-americana. A sitcom era simples, mas doce e apelativa: uma feiticeira casada com um homem normal utilizava os seus poderes mágicos para resolver as mais diversas situações do quotidiano. O filme de Ephron pega nesse conceito e confere-lhe uma roupagem nova, actualizando-o para os dias de hoje.

O argumento gira em torno de Isabel, uma bela e afável feiticeira que se encontra entediada com a sua condição muito particular. Como quer experienciar as vicissitudes de uma vida dita normal (amor incluído), Isabel propõe-se a renegar o seu dom. Nesta altura tão crucial da sua vida ela conhece Jack Wyatt, um actor desesperado por alcançar o sucesso com a sua participação numa nova versão da série Bewitched. Como Isabel consegue imitar na perfeição o "abanar do nariz" popularizado pelo programa, acaba por ser escolhida para contracenar com Jack.

Este até poderia ter sido um daqueles projectos simpáticos, não fosse a atitude de Ephron em querer cumprir a rigor a sua agenda papal do "agradar a gregos e troianos". Esta decisão é logo à partida um mau indício, porque se percebe que aqui não vai haver a mínima vontade de arriscar. Com tanta precaução, Bewitched esbarra de imediato nas suas próprias intenções: não é uma sátira corrosiva aos bastidores do entretenimento de Hollywood, tal como não é uma comédia hilariante sobre a nostalgia da televisão. Como o filme nunca se decide sobre o que quer ser, acaba por naufragar e ir parar a uma terra de nenhures, onde o desinteresse assenta arraiais (o que se assemelha, basicamente, à morte do artista).

Para além de ser insípida e entediante, a fita sofre ainda de uma inocência quase pueril, que certamente não agradará aos públicos ávidos de alguma irreverência temática. O par principal (Nicole Kidman e Will Ferrell) bem tenta dar algum pizzaz às suas personagens, mas estão abandonados à sua própria sorte por força de uma narrativa inconsequente e sem chama. Mesmo a química entre Kidman e Ferrell, certamente o núcleo do filme, não resulta minimamente. Colorido e leve como uma pluma, Bewitched não traz nada de novo ao formato das comédias românticas e nem sequer deixa na memória um ou outro par de cenas mais conseguidas. Esta Nora Ephron tarefeira não conseguiu convencer ninguém...


Classificação: 1/5

6 comentários:

curse of millhaven disse...

até dói de ver a deusa nicole desperdiçar assim o talento...



bjinhos!!

Fifeco disse...

Apesar de discordar por completo contigo relativamente ao "My Blueberry nights", estou inteiramente de acordo quanto a este Bewitched. Uma fita sem pés nem cabeça não merecia sequer a projecção nas salas de cinema. Uma vergonha para indústria (como muitas outras que por lá andam)

abraço

Hugo disse...

Concordo com tudo que vc escreveu, a série era engraçado e tinha charme, já esta adptação é totalmente sem graça e desperdiça o talento cômico de Ferrell e a beleza e graça de Nicole Kidman.

Abraço

gonn1000 disse...

Mais um a concordar, é mesmo um filme fraquíssimo que serve apenas para encher programação televisiva num sábado à tarde.

Cataclismo Cerebral disse...

Curse: Se dói... A mulher tem talento a mais para o desperdiçar nestes filmes por tudo lamentáveis!

Fifeco: Sim, este devia ter ido directamente para DVD. Há coisas que não se percebem não é?

Hugo: É um embaraço para todos os envolvidos, o que chega a ser deprimente tendo em conta o talento desses elementos.

Gonn1000: Yep, este ingere-se em estado vegetativo num fim-de-semana em que não haja mais nada para ver.

:)

Rui Luís Lima disse...

Recordo-me de em criança ver a série na televisão, na época ainda só havia um canal e nos dias de hoje Hollywood descobriu essa receita nem sempre milagrosa de passar ao grande écran séries que fizeram sucesso no tempo dos nossos pais e avós. O resultado foi bastante mau e este "Bewitched" não ofereceu nada de novo ao cinema.
Abraço cinéfilo.
paula e rui lima