segunda-feira, 30 de julho de 2007

25th Hour - A Última Hora (2002)

Seguramente um dos melhores filmes desta década! Spike Lee olhou de frente para a sua Nova Iorque ferida e não hesitou em captar toda a sua fragilidade e beleza. O fantasma do 11 de Setembro está lá todo, impresso em inúmeros fotogramas e em cada olhar magoado. A abordagem é subtil e todo o filme está impregnado de tristeza e melancolia. Sentimos até a sensação de mau estar e ira e toda a dificuldade de lidar com tal desconforto (retratada exemplarmente na já mítica "cena do espelho", onde se assiste a uma tortuosa descarga de bílis). Estamos na presença de uma verdadeira tragédia americana, com um tratamento narrativo clássico, mas também combinando os traços da modernidade. Seguimos de perto o último dia de Monty antes deste dar entrada na prisão, para cumprir uma pena de 7 anos. Monty fez vida à custa do tráfico de drogas e acabou por ser capturado. A desconfiança sobre quem o terá denunciado cai quase toda em cima da sua companheira Naturelle, mas o seu amor por ela é forte demais para que possa acreditar em tal traição. Essas últimas horas de liberdade servem para Monty avaliar toda a sua trajectória, os seus erros e sentimentos e para se despedir convenientemente daqueles que mais ama (pai, amigos e namorada). Não é errado dizer que estamos perante uma carta de amor à cidade do coração de Spike Lee. Por exemplo, o cão ferido que Monty acolhe logo no início do filme representa uma Nova Iorque abalada pela calamidade de 2001, que necessita urgentemente de amor e protecção; outro exemplo soberbo é o cartaz que surge rapidamente no ecrã lá para o fim do filme e onde podemos ler "You Cannot Stop New York". São estas subtilezas e densidades emocionais que permitem elevar esta obra a píncaros de genialidade, sem esquecer a inteligência e sobriedade do dispositivo dramático presente no filme. As personagens têm uma enorme profundidade e os actores que lhe dão corpo são assombrosos, especialmente Edward Norton (no papel principal), Rosario Dawson (Naturelle) e Barry Pepper (o yuppie, amigo de infância de Monty). É um filme sobre opções, sobre o renascer das cinzas, por muito difícil que isso seja. Obrigado Spike Lee!


Classificação: 5/5

15 comentários:

Cataclismo Cerebral disse...

O filme foi exibido este Sábado, na SIC, a uma hora vergonhosa (02h30).

Betty Coltrane disse...

foda-se! e sábado e domingo de tarde só passam porcaria... =/

(bem, nem sempre, mas em geral sim. se não é porcaria é repetido...)

JHB disse...

Eu era para ter visto mas acharam que era melhor pôr o Bruce (não sei se era dele mas era um filme qualquer que tinha dragão no título e assim faz-se um bom trocadilho :D ) antes do Spike... Enfim, gente que imagino não pense muito.

CP disse...

Mental Note: Must see this movie.
Mental Note nb2:Shall NOT see it on Tv. Malditas horas!

Francisco Mendes disse...

Um dos melhores filmes da última década! Obrigatório!

Abraço!

sonhadora disse...

Pena a "televisão" tb não pensar como nós... este é sim senhor um grande filme! Fica aqui o lamento
:( !
Vamos montar um televisão nossa? com os conteudo que achamos interessantes!! (lol) ok já estou a sonhar demasiado alto :(

curse of millhaven disse...

eu cá apoio ali o devaneio da sonhadora!!

infelizmente nunca vi, mas adoro o edward norton bem como a rosario dawson.

Cataclismo Cerebral disse...

Betty: é uma pena um filme desta categoria ser tratado assim...

Jhb: Exibiram O Beijo Mortal do Dragão, com o Jet Li (bahhh!)

CP: Mental Note: Rent it! :P

Francisco: Absolutamente de acordo :)

Sonhadora: Era uma ideia mais que boa!

Curse: Tens de ver este filme, tenho a certeza que vais gostar :)

Bjs e abraços

niskas disse...

Imperdível.Como sempre Sir Edward Norton em grande estilo..Por favor, deem um óscar a este rapaz!!!!

Carlos Pereira disse...

Não sou um fã devoto de Spike Lee, mas tenho de reconhecer que este 'A Última Hora' é uma verdadeira obra-prima. E aquele monólogo...

Abraço!

Cataclismo Cerebral disse...

Niskas: Já merecia o Óscar, é verdade...

Carlos: Aquele monólogo é um momento cinematográfico impregnado de genialidade.

Bj e abraço

Knoxville disse...

Apesar de não ter fincado o estilo que tanto gosto de Spike Lee, é o meu favorito da sua longa filmografia. Um portento. Talvez o segundo melhor desta década, apenas suplantado pelo Requiem for a Dream.

Um abraço!

Cataclismo Cerebral disse...

Claro que o Requiem For A Dream suplanta este 25th Hour. Já sabes que sou um grande fã desse filme, tal como tu.

Abraço

Fifeco disse...

Apesar de me ficar por um 4/5, considero esta bela obra de spike-lee um must see do cinema mais recente. É algo de muito bom e extremamente artístico.

Abraço

Cataclismo Cerebral disse...

Concordo absolutamente! É um filme com uma veia muito original e com uma sensibilidade inquietante.

Abraço