terça-feira, 24 de julho de 2007

The Others - Os Outros (2001)

A Casa Assombrada

Grace é uma mulher que vive isolada com os seus dois filhos, Anne e Nicholas, numa bela casa na Ilha de Jersey. Do seu marido, que foi combater na 2ª Guerra Mundial, nada se sabe há já bastante tempo. Sozinha e desamparada, a jovem mulher desdobra-se em cuidados com os filhos, que padecem de uma rara e terrível doença que lhes poderá ser fatal: fotossensibilidade.

Decidida a investir na máxima protecção das crianças, Grace cumpre quotidianamente um obsessivo ritual que consiste em fechar todas as portas, todas as janelas e recorrer exclusivamente à luz das velas. Aquela mãe dedicada (e fervorosa adepta de leituras da Bíblia) não baixa as guardas por um único instante, nem mesmo quando recebe três criados para a ajudar na manutenção da mansão. Só que, a partir deste momento, um reinado de terror instala-se na existência de Grace, que se começa a aperceber de estranhos barulhos que ecoam por toda a casa e da perturbação expressa pelos seus filhos, que se queixam da presença dos "outros".

Em primeiro lugar, deve-se agradecer ao realizador Alejandro Amenábar por ter apostado num modelo de terror old school que se afasta por completo da típica avalanche de efeitos especiais que actualmente inunda este género de filmes. Aqui, quase tudo é deixado à imaginação do espectador, o que ajuda a construir uma atmosfera de medo e inquietação bastante intensa (sou dos que acredita piamente que o poder de sugestão tem mais capacidade de assustar do que qualquer acto explícito de terror).

A realização de Amenábar é uma relíquia, com planos belíssimos que constituem um verdadeira raridade num filme desta natureza. A fotografia é, na mesma medida, límpida e austera, destilando um certo ar clássico que entra em consonância com o espírito da obra. O conjunto das interpretações rege-se pela excelência, mas é óbvio que Nicole Kidman merece um especial destaque.

A sua Grace, loura e branca como a cal, é uma perfeita reminiscência de Grace Kelly (atente-se na partilha do nome), uma das musas de Alfred Hitchcock (e The Others é tão eficaz a evocar a essência do mestre, que até apetece dizer que poderia muito bem ter sido realizado por este. Kidman fornece uma boa dose de ambiguidade à sua Grace, que ora é uma mãe rigorosa e intransigente como de seguida se torna vulnerável, assustadiça e emotiva. É tão admirável observar o leque de emoções pelas quais a actriz passeia durante este filme quanto é fabuloso constatar que trabalhar sobre este género não implica a criação de personagens dramaticamente débeis.

E que dizer daquele twist? Pois é, há quem diga que se trata de uma cópia de uma outra obra-prima, mas esquecem-se que The Others foi realizado primeiro. O problema é que este filme é uma produção independente espanhola, que demorou algum tempo a ser produzido e distribuído, perdendo um pouco o empurrão que beneficiou o seu "concorrente". Enfim, temos aqui um grande thriller sobrenatural e psicológico e um fiel merecedor do estatuto de "fita de terror inteligente deste novo milénio".


Classificação: 5/5

11 comentários:

Cataclismo Cerebral disse...

O filme é exibido hoje, na RTP1, por volta das 23h30.

CP disse...

Concordo com TUDO o que escreveste MAS penso que este filme sofreu muito por ter tido uma produção tão demorada. No meu caso pessoal, tendo em conta que vi este filme depois de ter visto o Sexto Sentido, 15mn passados e o twist final estava mais que dado à partida. é tudo um problema de visão a meu ver. O sexto sentido ampliou um determinado campo de possibilidades e a partir desse filme, essa possibilidade (a de que as personagens já estão mortas) passou a ser levado em conta à entrada da sala de cinema. E pronto graças a isso o filme, não deixando de ser muitissimo bom, perde um pouco do encanto...

Ps: Peço desculpa pelo discurso estranho e mal-amanhado mas estando no trabalho não dá para fazer muito melhor... :P

curse of millhaven disse...

não me posso esquecer, não me posso esquecer, não me posso esquecer!

Cataclismo Cerebral disse...

Eu vi ambos em cinema e juro que este The Others me apanhou de surpresa no final. Considero que os twists, por si só, não fazem valer todo um filme. São importantes claro (e quanto mais originais melhor), mas creio que um filme não pode ser reduzido à espectacularidade de uma reviravolta. Neste caso, até valorizo mais a história em si, que nos deixa a pensar naquela mãe e naquelas decisões. Acho que não perde o encanto por se poder prever o final...

Abraço

Maria del Sol disse...

Já tinha visto na grelha da RTP para hoje, vamos ver se não me esqueço... obrigada pela sugestão ;)

JHB disse...

Eu não lhe daria 5/5 mas unicamente porque não é o meu tipo de filme, mas dentro do género merece claramente nota máxima. Concordo com tudo o que disseste, o twist deixou-me mesmo supreendido.
Confesso que falando em realizadores espanhóis, e isto pode parecer heresia, prefiro Amenábar a Almodovar.

Abraço

Betty Coltrane disse...

estou a vê-lo neste momento... lol!

Gosto muito do filme, já o vi várias vezes (na tv), e confesso que não estava nada á espera que eles estivessem mortos, e muito menos que tivesse sido ela a matá-los! Além disso, adoro a Nicole, é fenomenal.

***********************

curse of millhaven disse...

ADOREI!

JHB disse...

*se bem que o Amenábar é chileno, mas como faz sempre os seus filmes por Espanha...

Cataclismo Cerebral disse...

Maria: Espero que não tenhas perdido este grande filme ;)

Jhb: Amenábar é um óptimo realizador. Vejamos o exemplo do Mar Adentro, outra obra-prima da sua responsabilidade...

Betty: É um filme com um argumento engenhosos e com uma interpretação superlativa dessa senhora actriz chamada Nicole Kidman :)

Curse: Já calculava que gostarias ;)

Bjs e abraço

Suntory Time disse...

É por causa de obras-primas como esta que eu ainda me dou ao trabalho de ver filmes de terror modernos.

Para quem gostou, sugiro The Innocents (1961) de Jack Clayton, com Deborah Kerr.