quinta-feira, 16 de agosto de 2007

Top 3 Vida Nos Subúrbios

1) Blue Velvet - Veludo Azul (1986)



2) Little Children - Pecados Íntimos (2006)



3) American Beauty - Beleza Americana (1999)


8 comentários:

Bracken disse...

Três belos filmes. Tenho um carinho especial pelo segundo...
Abraço,
Bracken

Stolenideas disse...

Aprecio especialmente o Veludo Azul apesar de não ter visto o Pecados Íntimos, esqueceste de criar uma menção honrosa para o clássico dos anos oitenta, The Burbs, com o Tom Hanks e com a Carrie " Leia" Fischer, uma verdadeira sátira aos moradores de bairros suburbanos americanos, ou entao o grande Eduardo Mãos de Tesoura.

Cataclismo Cerebral disse...

Bracken: Também tenho um carinho especial pelo Little Children...

Stolen: Edward Scissorhands... como é que me fui esquecer "desses" subúrbios... Shame on me!

Abraços

wasted blues disse...

Três filmes muito bons! Mas apesar de gostar de 'American Beauty', substituia-o, sem hesitar, pelo fabuloso 'Hapiness', do Todd Solondz ;)

Quanto ao 'Edward Scissorhands', penso mais nele como um belo filme de fantasia do que um filme de subúrbios. Os filmes de subúrbios, para mim, implicam um certo cinismo e desencanto que dificilmente associaria à história de Tim Burton.

Cataclismo Cerebral disse...

Wasted: Estive quase, quase a pôr o Happiness neste top. Quanto ao Edward, aqueles subúrbios supostamente pacatos e idílicos (que escondem perversidades de várias ordens) são um achado, repleto de farpas incisivas à frustrada classe média americana. Outros subúrbios a destacar: Pleasantville, O Suspeito da Rua Arlington, The Virgin Suicides, Thirteen,...

JHB disse...

Ainda não vi os primeiros dois, mas adoro o American Beauty, é um filmaço...

wasted blues disse...

Eu não nego as farpas, mas continuo a não encaixar o filme no "género subúrbios" ;)

Zito disse...

não gostei particularmente do "Little Children", sendo bastante diferente dos outros dois. admito que não é fácil filmar o quotidiano ainda por cima com uma estória banal (no sentido em que nada tem de extraordinário) e nesses aspectos Todd Field não se sai nada mal mas fiquei com a sensação que podia ir mais além.

Quanto aos outros dois, são já clássicos ....