sexta-feira, 10 de agosto de 2007

Eyes Wide Shut - De Olhos Bem Fechados (1999)

Cenas De Um Casamento Atribulado

Hoje, depois de uma conversa sobre relações e casamentos falhados com o An Angel In Hell, chegou-se à conclusão que a última obra-prima de Stanley Kubrick impõe-se como um dos melhores retratos (senão o melhor) a essa instituição que é o casamento. A história deste casal da alta burguesia com inúmeras disfuncionalidades na sua relação é um brilhante exemplo daquilo que é observável "lá fora", na vida real. Tom Cruise interpreta Bill Harford, um excelente médico que ama a sua mulher Alice e a filha, considerando o seu seio familiar bastante estável. O grande erro de Bill é que acha que tem a sua esposa como garantida, vendo-a como uma boa mãe, mas descurando toda a sexualidade e desejos daquela mulher. Daí ele fechar os olhos logo ao início do filme, quando a vê nua, no quarto do casal. Mas aquela união só será posta em causa após uma confissão de Alice, relativamente às suas tentações fora do casamento. Depois desse episódio, o médico entra numa espécie de colapso e decide então enveredar por uma odisseia num submundo perigoso e extremamente sexual, encontrando-se com personalidades atípicas e sinistras. Tudo apenas para testar os seus limites e descobrir se conseguirá ser tão ousado como a sua mulher foi. Real, elegante e provocador, este filme não deixa ninguém indiferente, quer se ame ou odeie. O título é repleto de significado, se bem que cínico: "De Olhos Bem Fechados" para não se encarar a verdade, evitar aquilo que não se quer admitir, ver (sendo a famosa cena do espelho um bom exemplo disto). O facto de se contar com o par Cruise/Kidman (como é sabido, ainda estavam casados por esta altura) confere uma tónica de veracidade raramente vista no celulóide, tornando-se também uma perfeita oportunidade de ambos revelarem as suas enormes amplitudes dramáticas. A banda sonora é arrepiante e misteriosa, um marco que Kubrick nunca desvalorizou e que sempre integrou na perfeição em todos os seus projectos. O filme adapta de forma exemplar a obra de Arthur Schnitzler, "Traumnovelle" e constituiu um dos melhores sucessos comerciais na carreira do já falecido realizador. Soberbo!


Classificação: 5/5



6 comentários:

Pattie disse...

"Real, elegante e provocador, este filme não deixa ninguém indiferente, quer se ame ou odeie."

Acho que esta é a definição perfeita de qualquer filme do Kubrick.

Betty Coltrane disse...

ainda não consegui ver, bolas... :(

curse of millhaven disse...

ainda nunca vi até ao fim...

Carlos Pereira disse...

Outra maravilhosa obra-prima. Concordo que é dos melhores filmes sobre a instituição casamento, a par de outros como Cenas da Vida Conjugal de Bergman.

Excelente crítica cataclismo. ;)

Gonçalo Trindade disse...

GRANDE filme. A última obra-prima do incrível Stanley Kubrick, sem dúvida digna do seu enorme talento. Sem dúvida um dos seus filmes mais "humanos" (apesar de todos os seus filmes falarem, de uma forma ou de outra, da natureza humana, creio que este consegue ser um dos que o faz de uma forma mais profunda).

Abraço!

Cataclismo Cerebral disse...

Pattie: Sim, adequa-se à sua filmografia...

Betty: Não o tenho em DVD, senão emprestava-to já

Curse: Pode ser q passe daqui a pouco tempo :)

Carlos: Grande referência ao Bergman :) Obrigado pelo elogio Carlos.

Gonçalo: Concordo inteiramente. É o filme de Kubrick onde a natureza humana pulsa de forma visceral...

Bjs e abraços