sábado, 7 de julho de 2007

Devo começar por dizer que as entrevistas no âmbito do Live Earth (aos especialistas ambientais, políticos e empreendedores, por exemplo) são interessantes e fulcrais, para se percepcionar a que nível é que as políticas ambientais são tidas em conta nas diversas esferas de acção. Afinal, não é todos os dias que se pode fazer uma análise objectiva ao "estado do ambiente" e às medidas que as forças políticas vão assumindo nessa temática. O grande problema é que este Live Earth centra-se no conceito de música + consciêncialização ambiental e, nesse sentido, creio que Portugal está a cometer um erro crasso. Tenho acompanhado a emissão do nosso canal público e só vejo celebridades a dar a sua opinião. Ok, não digo que não tenham preocupações ambientais e dicas úteis para o público, mas este evento não está pensado para este tipo de formato. O Live Earth não é isto minha gente! Uma coisa é preencher os poucos "espaços mortos" com tópicos e questões pertinentes relativas ao tema, outra completamente diferente é não deixar fluir o que está programado a nível mundial...

Um comentário:

João HB disse...

Segundo eles os concertos fazem perder audiências. Sinceramente... Quem é que prefere ver uma carrada de caras conhecidas (algumas delas coitaditas) a dizer se separam ou não o lixo em vez de ouvir alguns daqueles concertaços.