segunda-feira, 10 de setembro de 2007

Hoje, na RTP1,...

... pelas 22h15, destaca-se o regresso do "Prós e Contras", que se irá debruçar sobre o Caso Maddie.

Perto das 00h50 é a vez de entrar em cena o filme "Respiro", com Valeria Golino.


8 comentários:

Betty Coltrane disse...

estava mesmo a pensar ver o prós e contras, se entretanto não surgir mais nada... Quanto ao filme, é soberbo, recomendo a toda a gente!!

(e ligar o msn, não?) ;P

beijão!!!!

niskas disse...

já respondi ao desafio que me colocaste---qt ao pros e contras a verdade é que já estou farta da novela Maddie---desde inicio que axo que os pais têm o rabo preso.qt mto negligencia mas axo que deve haver algo mais...o melhor e ter o privilegio de ouvir o meu carissimo orientador Carlos Poiares....
bj

Trepas disse...

Caso Maddie??? Hum! Não conheço! Do que se trata?

curse of millhaven disse...

n consegui ver nem um nem outro, mt soninho aqui por estes lados.

vim um pco do prós e contras mas dps enjoei...

Maria del Sol disse...

Ja é a segunda vez que perco o "Respiro", mas cada vez que há um programa mais interessante invariavelmente tenho programa fora de casa, desta vez um aniversário. Fica para a próxima :(

Daniel disse...

ainda apanhei um bocado do Prós e Contras. Não passavam 5 minutos e já estava agoniado. E é curioso, toda a gente parecia que tinha alguma coisa a dizer, mas de facto ninguém disse nada de novo. Felizmente teve a Fátima Campos o bom senso de convidar aquele especialista espanhol. Foi de todos o único que fez uma análise rigorosa e interessante, e ainda disse aquilo que toda a gente sabe e ninguém se atreve a dizer. Foi pena ter sido gozado por quem não percebe um centésimo daquilo que se falou, mas já Einstein dizia que a estupidez humana é infinita, não é verdade?

Luís Alves disse...

porra para a fátima campos! é petulante, tem o nariz empinado e pedante. desliguei a tv por causa dela e do Júdice!

Cataclismo Cerebral disse...

Confesso que o Prós e Contras foi um pouco maçador. Nunca quiseram fugir do patamar da segurança, o que fez com que não se dissesse nada de novo.