quinta-feira, 6 de setembro de 2007

Madeleine

Independentemente das diversas teorias que existam àcerca do desaparecimento de Madeleine, a verdade é que este caso não deixa ninguém indiferente. Creio que estamos todos esperançosos de que novos indícios surjam rapidamente, de forma a que a investigação não perca o fio à meada e se possa chegar sim a uma conclusão. A multiplicidade de teorias e informações veiculadas pela comunicação social deixa-nos a todos bastante confusos; a cada dia, parece que surgem sempre novos dados, muitos deles dando a impressão de que não se encaixam em lado nenhum, tornando-se cada vez mais difícil construir uma linha de raciocínio plausível e segura. Devido a toda esta parafernália, é natural que uma expressiva fatia do público já se sinta cansada de acompanhar o caso e já só espere pelo desenlace. Não condeno essa atitude, longe disso. Mas uma recente notícia, fora das coordenadas policiais e familiares, pôs-me a pensar ainda mais neste caso: a notícia referia-se àquele que deveria ser o primeiro dia de escola da miúda, dia esse que todas as outras crianças e colegas quiseram assinalar rezando pela menina. Foi este contexto específico, esta lembrança de que Madeleine já deveria estar no seu país natal a iniciar o seu percurso escolar, que me deixou pensativo e ainda mais ansioso para que tudo se resolva o mais rápido possível. Para o bem e para o mal...

5 comentários:

daniel disse...

De facto preocupa-me bastante o caso de raptarem pessoas. Mas o que me preocupa ainda mais são todos os casos de rapto cerebral que existem por aí. Se há coisa que não entendo é porque que é que das dezenas e dezenas de pessoas que são raptadas por dia em todo o mundo logo esta teria que saltar para a luz da ribalta (que hoje em dia são os telejornais convencionais). Que tem ela a mais que todos os outros, ou serão os raptos de crianças assim tão raros? Decerto os seus (supostos) pais deverão ter uma resistência psicológica inabalável para virem em público dizer isto ou fazer aquilo durante tanto tempo. Que tal o Vaticano canonizá-los? - mas só depois de mortos, como convém, que a ninguém é dado o seu devido valor em vida. Enquanto isso o sensacionalismo vai aproveitando. Ninguém é inocente face a um crime: nem quem o comete, nem quem se aproveita dele.

curse of millhaven disse...

com os mais recentes desenvolvimentos até tenho medo do que para aí vem.
tudo parece indiciar para um desfecho surpreendente e macabro. ao nível do melhor dos políciais...

sonhadora disse...

Concordo com a curse... actualmente é-me difícil ter uma opinião formada sobre o caso! Mas pelos ultimos boatos parece-me que o defecho vai ser muito macabro... a ver vamos :s

Cataclismo Cerebral disse...

Daniel: Concordo absolutamente com tudo o que dizes. Todos os aspectos que focas são certeiros e correctos.

Curse e Maria: Têm razão, isto está a caminhar para algo muito macabro. É muito diifícil manter uma opinião sobre todo o caso, já que existem muitas pontas soltas e demasiados dados.

Abraço e bjs

Betty Coltrane disse...

É um caso que foi estranho desde o início, muito estranho... É esperar para ver. Entretanto, temos umas tertúlias para ir discutindo o assunto entre nós...